BlogBlogs.Com.Br

Não quero envelhecer!

Nos últimos tempos, tenho aprendido a escrever e a gostar de escrever, muitas vezes até escrevendo sem saber o que escrever, só Freud explica....risos...
An ordered list

ENCONTRO NO CAMINHO

UM ENCONTRO ONDE SOMOS CONVIDADOS A SEGUIR O EXEMPLO DE JESUS, INCLUINDO OS EXCLUIDOS, OS FRACOS E VULNERAVÉIS, A CONFRONTAR A HIPOCRISIA E A GANÂNCIA, E A OBEDECER O MAIOR DE TODOS OS MANDAMENTOS AMAR O PRÓXIMO COMO A NOS MESMOS.
Encontro no caminho

CONVITE À ALMA

Pois que cada homem é filósofo do seu tempo.
Nélida Piñon

Eu digo: calma, alma minha, calminha, você tem muito que aprender.
Zeca Baleiro

Hoje quero fazer um convite a minha alma. Convido-a a ser minha parceira no ofício da leveza. Deixar de ser uma alma queixosa e indolente. Uma alma que deixou de se aquietar com porção do dia e que nunca parece estar satisfeita.
Alma, você está faminta de quê, afinal? Você está sempre indócil pensando no “se”, nas preocupações que talvez jamais aconteçam, no amanhã que ainda não chegou, em um passado permeado de mágoas.

Quero convidá-la a ser minha parceira em viver o presente de forma plena, minuto a minuto. Porque só cada dia vencido nos habilita a viver o próximo.
Alma minha, o que você tem na sua bagagem que se tornou tão grande e pesado? Vamos fazer um balanço sincero do que existe nas malas e bolsas dessa viagem que juntas fazemos há tanto tempo. Por que não se desfazer de papéis velhos e notinhas acumuladas sem importância, já desbotados e ilegíveis, listas das dívidas a cobrar de gente que ficou lá atrás?


Perdoe, alma minha. O peso excessivo da mochila faz com que você, minha pequena alma, ande encurvada e envelhecida. É hora de se tornar mais leve e flexivel.

Vamos combinar assim. Que tal viver a plenitude do presente, com recato, amor, coragem, ternura e compaixão? Quando ouvir, ouça – não pense nas respostas que tem de dar.Não tenha vergonha de dizer “não sei”. Não saber é próprio da nossa humanidade.


Quanto perder verdadeiramente alguém, sinta a dor. Quando chorar, chore – não diga a si mesma, alma minha, para parar enquanto as lágrimas não secarem de vez. Alguém disse que é mister chorar quando os fatos exijam lágrimas. Mesmo os nossos lutos precisam se esgotar, precisam encerrar o ciclo das fases da dor até a mais perfeita aquietação, como aquele constructo da psicologia: choque, negação, raiva, barganha, depressão, aceitação e esperança.


Pular fases é mera ilusão: elas voltam, cedo ou tarde, para reclamarem seu espaço.
Alma, convido-a a deixar o medo. Não me constranja a renunciar ao privilégio da aventura de estar viva. A despeito dos perigos que nos ameaçam, o simples ato de beliscar a própria carne e de constatar como o corpo reage representa uma graça sempre renovada. Talvez seja por isso que um sentimento misto de vergonha e surpresa nos sobrevenha ao constatarmos que pessoas desprovidas daquilo que julgamos essencial consigam viver em plenitude. Você não precisa, minha alma, de arranjar desculpas para explicar o sorriso que permanece no rosto dos desprovidos . De alguma forma, eles aprenderam, bem antes de nós, que o sonhar é uma graça de proporções tão exageradas que é necessário atribuí-lo a Deus, empenhado em pessoa em amparar o homem, criatura e obra sua.


É isso, minha alma. Não aparente o que não é, não exiba o que não tem, não ostente um valor que desconhece.A partir de agora não desejo mais descuidar-me de você, alma pequena. Sejamos leves, e na leveza estará a nossa força. Eu a convido.

Helena Beatriz Pacitti, inverno de 2009

Fonte: http://fabiopereira.wordpress.com/

28 de out de 2009

O DIABO E O INFERNO - Colaboradores da "santidade" da igreja de hoje?




MANOEL SILVA FILHO


Como pode personagens hediondos e tão indesejados, habitantes dos bastidores sombrios das regiões espirituais do mal, se tornarem coadjuvantes do culto e da santidade da maioria das igrejas da atualidade?

É difícil de acreditar, mas quando duas retas aparentemente paralelas se inclinam levemente em seu vértice, é possível que em um ponto distante elas se tanjam e se toquem inevitavelmente.

Não nos enganemos. A persuasão do Espírito Santo, o constrangimento da graça escandalosa, e a força irresistível do discipulado de Jesus, o cristianismo sem religiosidade, sem igrejismo e sem legalismo, adicionado a proposta de uma vida cristã relevante, marcada pela liberdade consciente são bênçãos garantidas pela Palavra de Deus e levam o cristão a buscar uma vida melhor, de santidade e utilidade no Reino. Esses são temas que normalmente deveriam constar nos sermões pregados nas igrejas de hoje.

Mas infelizmente na prática, não são esses os elementos fundamentais que promovem a busca de uma vida de santidade por parte dos freqüentadores da maioria das igrejas dos nossos tempos.

Pasmem e confirmem. O medo obsessivo do diabo e de suas manifestações, o pavor de suas retaliações, as terríveis ameaças sobre quem revela fraquezas sexuais ou de qualquer tipo, a doutrina dualista de causa e efeito, Deus severo, punições severas, pecou, levou, e o pavor irracional de ir para o inferno são os principais temas mais utilizados em mensagens e sermões intimidadores pregados na igreja e através da TV. Isso nos leva a crer que estamos vivenciando hoje, uma total inversão de valores.

Conversando essa semana com uma pessoa no msn, ela me falou que ao revelar que estava fazendo jejum em solidariedade a uma amiga que estava passando por uma situação muito difícil, a própria amiga a alertou apavorada a não fazer isso: “Não faça isso! Você não pode jejuar, por que se você jejuar, o Diabo vem com tudo e te pega!”.

Essa ambiência de medo do inimigo é muito comum nas igrejas de hoje. Nesses ajuntamentos não se fala de outra coisa! O resultado é que em vez do cristão estar na vanguarda, vive entrincheirado na retaguarda. Em vez de estar na linha de frente, está escorado, na última fileira. Na igreja, pisa a cabeça de tudo que é demônio, entretanto, individualmente, quando se vê lá fora, está sempre oprimido e derrotado diante do mínimo confronto.

O salmo 23 e sua teologia sobre batalha espiritual, nos pondo à mesa do banquete na presença do Rei, recebendo óleo perfumado da alegria na cabeça e tendo a taça do vinho da liberdade sempre cheia, estando os inimigos à distância, nos espreitando, mas imobilizados pela palavra do rei, são doutrinas estranhas a esses pregadores terroristas que impingem medo e terror no meio da congregação.

Se fosse proclamado a uma multidão incontável que freqüenta igreja hoje que não existe mais Inferno e o diabo nada mais é que um mito, que tudo isso foi um arrematado equivoco dos teólogos, uma grande e expressiva maioria abandonaria a igreja na hora! Porque as pessoas lotam as igrejas, não por amarem a Jesus como fruto de O conhecerem como amigo de caminhada, não por constrangimento do coração, mas por interesse egoísta em busca de bênçãos, prosperidade financeira, para se livrarem das dívidas, ou por medo de serem presa fácil do inimigo, e conseqüentemente o pavor de ir pro inferno.

Parte disso é culpa dos líderes que não equipam seus membros para terem um relacionamento vital com Jesus, o que mudaria radicalmente a face da história da igreja atual, por que é o amor incondicional, o quebrantamento individual e o poder do ES operando de dentro para fora que gera uma vida de santidade, como resultado da simbiose desse relacionamento. E o respeito à individualidade e as diferenças, os esteios que estabilizam a construção dessa igreja.

Fora isso, é imposição de regras, e isso, diz Paulo, por mais que alguém se esforce, e tente viver um rigor ascético do não pode isso não pode aquilo, não tem valor algum contra a sensualidade, embora tente levar na íntegra, o que Davi falou de desejar morar todos os dias na casa do Senhor! Quanto mais ora como regra, jejue como obrigação, vigie como dever, mais desapontamento e frustração! Esse tipo cristianismo desaba mais cedo ou mais tarde, como frágil castelo de cartas. Por que não vem da espontaneidade do coração e sim da determinação da liderança da igreja.

A poderosa mensagem das Boas Novas do Evangelho é que você pode viver sem essas peias, sem as regras que te fazem um número estatístico, e pular da esteira de soldadinhos de chumbo para viver o Evangelho da liberdade consciente. Aquele que Jesus pregou e viveu. E por isso que essa igreja baseada em regras está fadada à bancarrota, pois está diametralmente longe do ideal do que Jesus planejou sobre Sua igreja.


19 de out de 2009

EU TENHO FÉ?


Essa foi a pergunta que me fiz hoje? Talvez você esteja se perguntando, porque ele está se perguntando isso? E eu posso te responder, que se fé é o que leio na biblia então 99,99% do que eu pensava conhecer sobre fé, não conheço.


Jesus disse em MATEUS 17:20 “E Jesus lhes disse: Por causa de vossa pouca fé; porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível”. Se com essa fé que Cristo nos falou, removemos montanhas, e nada nos será impossível, apenas falando, apenas declarando, então fica claro pra mim, que está fé eu não a conheço e se esta fé exista em mim, mesmo sem eu a conhecer, devo ter pouquíssima dela, e provavelmente muitas vezes menor do que um grão de mostarda.


Que o digam as montanhas e os impossíveis que já enfrentei, e que nunca saíram do mesmo lugar...e olha que por várias vezes já declarei em voz alta, voz baixa, de joelho, sentando, em pé, em jejum, com oferta no altar (vixe ai que as coisas pioraram), não teve jeito, tudo continuava do mesmo jeito...a não ser no dia que o Todo Poderoso quis que fosse diferente, quis que eu vivesse algum tipo de milagre, mas mesmo assim nunca teve montanha nenhuma mudando de endereço com minhas declarações, e isso também nunca aconteceu, nem nos tempos em que o filho Dele (Jesus) andou nessas bandas de cá. Pelo menos aqueles que o acompanharam durante sua caminhada nesta terra, não deixaram escrito.


Os religiosos e teólogos de plantão que me desculpem, pela minha “tão pouca fé”, nestes acontecimentos extraordinários, chamados milagres, que acontecem apenas pelo meu simples “profetizar” ou por algum “ato profético”, que agora sei que essa fé, eu não a conheço mesmo, e vão citar um monte de versículos bíblicos, para me convencer (se é que eles existem), o que eles (religiosos e teólogos), nunca conseguiram viver, ou alguém ai já transportou uma montanha de um lado para outro? Mas eu louvo a Deus, pelo menos sobrou em mim 0,01% de fé no filho de Dele, então descansem gente de Deus, não sou ateu.


É nesta fé no filho de Deus, que eu descanso, sabendo que no dia e na hora que Ele bem quiser, Ele fará em mim e por mim, tudo o que Ele bem quiser, se é que Ele quer?


Sempre no caminho...


Olavo

14 de out de 2009

NÃO VOLTO MAIS...


Não volto mais...

Bom pessoal aqueles que já conhecem minha historia, o que vou dizer, já é repetitivo, mas para aqueles que ainda não a conhecem, para que se entenda o que vou escrever e mostrar, será necessário repeti-la.

Durante dez anos de minha vida, fiz parte da “I”greja Renascer em Cristo, e durante todo esse tempo, cheguei a ser Bispo naquela instituição, foi um tempo em que nem tudo foi ruim, teve a parte boa...qual? A parte boa foram alguns bons amigos que fiz lá...e foi só...acreditem...

Mas já se passaram quase dois anos que sai de lá, e neste tempo tenho vivido o simples caminhar no caminho que é Cristo, e durante todo esse tempo, tenho alertado através de meus blogs, no começo o blog olavoferreira.blogspot.com (Caminho), e agora neste que você lê esse artigo (Pensador Compulsivo), que a maioria das “i”grejas abertas e chamadas de evangélicas, estão muito distantes do Evangelho de Cristo e alerto as pessoas, a pensarem melhor em freqüentar esses lugares.

E veja pra minha surpresa, ainda estou configurando como “bispo” de dessa “i”greja, que como disse “já me desliguei”, porque não acredito mais nesse sistema religioso.

E cheguei a seguinte conclusão, ou eles “i”greja, tem uma grande esperança na minha volta a aquela instituição, e até consigo ouvir em minha mente aquela canção “volta logo, aqui sempre foi teu lugar...”, ou é pura desorganização, porque já vão fazer dois anos do meu desligamento.

Mas quero dizer aqui para aqueles que ainda tem esperança na minha volta...

não volto mais a instituição...

não volto mais a escravidão ministerial...

não volto mais ao abuso de poder...

não volto mais a ser enganado e nem enganar ninguém...

não volto mais as campanhas, votos, ofertas sem fim...

não volto mais ao outro evangelho, que não é o evangelho de Cristo...

E não volto, porque encontrei verdadeiramente o caminho, a verdade e a vida, e Nele posso viver, o que durante dez anos não pude viver, a vida.

O link tá ai pra quem quiser conferir...após clicar, selecione o estado de São Paulo, depois cidade Araçatuba e depois Centro...pronto agora é só clicar em cima de meu nome Bp Olavo e Pra Márcia.

http://www.igospel.org.br/2009/principal/pg_buscaigreja.html

Sempre no caminho...

Ops...só pra lembrar...Não volto mais...risos...

Olavo

10 de out de 2009

SOB NOVA DIREÇÃO




Outro dia passeando com minha familia, vi uma lanchonete na qual iamos sempre comer lanches, com uma faixa escrita "SOB NOVA DIREÇÃO"...É claro que não quero falar da lanchonete...mas isso me chamou atenção para minha propria vida.

Está complentando um ano, que me desliguei de uma instituição, onde fiquei por longos dez anos, muito tempo...sendo formado, discipulado e dirigido por um evangelho totalmente desviado das verdades do evangelho de Cristo.
E o incrivel é que acostumamos, porque o ser humano, e isto está provado cientificamente, é capaz de se acostumar com as coisas mais terriveis e sobrehumanas, que se tem noticia.
E eu me acostumei, em ser guiado e dirigido, por coisas terriveis, e o pior é que arrastei toda minha casa junto comigo.

Hoje lembro-me, por exemplo em fazer pedágios (forma de coletar dinheiro na rua), era uma loucura, até minha esposa com um bebe ainda de colo, ia comigo para esses pedágios, porque conforme aprendia: Isto era obra do Senhor...

E ai eu pergunto que "direção" era esta?

Me lembro também, em fazer desafios (forma de coletar dinheiro dentro da instituição), desafios esses que eram grotescos, porque muitas vezes até passei e fiz minha familia passar por necessidades, porque conforme aprendia: Isto era obra do Senhor...

E ai outra vez, pergunto que "direção" era esta?

Me lembro também, dos dias de cultos, eram reuniões todos os dias da semana, alguns dias haviam até três reuniões, passava mais horas e dias na instituição, do que com a minha esposa e filhos, não tinha tempo para familia, amigos, diversão, cultura, porque conforme aprendia: Isto era obra do Senhor...
E ai outra vez, pergunto que "direção" era esta?

E hoje posso responder com toda certeza, esta era a "direção", de quem sabe manipular, isto é sim a vampirização do evangelho, isto é direção de quem quer pra si e não pro reino de Deus, gente que quer ter controle total sobre as pessoas.
Hoje consigo enxergar com toda clareza, e vejo como fui mal dirigido...
Alias como me deixei ser dirigido por tais pessoas...

Hoje graças a Deus, estou com uma placa enorme na minha vida que diz "SOB NOVA DIREÇÃO"...agora não mais de homens ou instituições, agora somente sendo dirigido pelo evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

E garanto, como isso é bom...tirou um peso, um fardo, hoje a vida é mais leve, hoje posso refletir do que realmente significa o Evangelho de Jesus.
Hoje vivo o total desapego do ter, para simplesmente ser...ser pai, marido, filho, irmão, amigo, ser gente...e como é bom isso...

Vejo tantas pessoas ainda neste martirio religioso, tantas pessoas que se deixaram e se deixam ser dirigidas por instituições e lideres fraudulentos, que a única coisa que me resta a fazer, é pedir ao Senhor da seara, ajude eles, dê luz a eles...
E quem sabe um dia, assim como eu, todos esses vão pendurar uma placa bem grande na vida deles "SOB NOVA DIREÇÃO".

Olavo Jr
8 de out de 2009

FILÃO RELIGIOSO


Ricardo Gondim

As Casas Bahia disputam o mesmo mercado que a Magazine Luiza. As duas lojas se engalfinham para abocanhar o filão dos eletrodomésticos, guarda-roupas de madeira aglomerada e camas de esponja fina. Buscam conquistar assalariados, serralheiros, aposentados e garis. Em seus comercias, o preço da geladeira aparece em caracteres pequenos, enquanto o valor da prestação explode gigante na tela da televisão. A patuléia calcula. Não importa o número de meses, se couber no orçamento, uma das duas, Bahia ou Luiza, fecha o negócio - o juro embutido deve ser um dos maiores do mundo.

Toda noite, entre oito e dez horas, a mesma lengalenga se repete nos programas evangélicos. Pelo menos quatro “ministérios” concorrem em outro mercado: o religioso. Todos caçam clientes que sustentem, em ordem de prioridade, os empreendimentos expansionistas, as ilusões messiânicas e o estilo de vida nababesco dos líderes. Assim, cada programa oferece milagres e todos calçam suas promessas com testemunhos de gente que jura ter sido brindada pelo divino. Deus lhes teria abençoado com uma vida sem sufoco. Infelizmente, o preço do produto religioso nunca é explicitado. Alardeia-se apenas a espetacular maravilha.

Considerando que a rádio também divulga prodígios a granel, como um cliente religioso pode optar? Para preferir uma igreja, precisa distinguir sobre qual missionário, apóstolo, pastor ou evangelista, Deus apontou o dedo. E se tiver uma filha com leucemia aguda, não pode errar. Ao apelar para uma igreja com pouco poder, perde a filha.

O correto seria freqüentar todas. Mas como? Em nenhuma dessas igrejas televisivas o milagre é gratuito ou instantâneo. As letrinhas, que não aparecem na parte de baixo do vídeo, afirmariam que, por mais “ungido” que for o missionário, um monte de exigência vem embutida na promessa da bênção. É preciso ser constante nos cultos por várias semanas, contribuir financeiramente para que a obra de Deus continue e, ainda, manter-se corretíssimo. Um deslize mínimo impede o Todo Poderoso de operar; qualquer dúvida é considerada uma falta de fé, que mata a possibilidade do milagre.

Lojas de eletrodoméstico vendem eletrodoméstico, óbvio. Igrejas evangélicas comercializam a idéia de que agenciam o favor divino com exclusividade. E por esse serviço, cobram caro, muito caro. Afinal de contas, um produto celestial não pode ser considerado de quarta categoria. A “Brastemp” espiritual que os teleevangelistas oferecem vem do céu.

O acesso ao milagre se complica, porque todos mercadejam o mesmo produto. Os critérios de escolha se reduzem a prazo de entrega, conforto e garantia.

Opa, quase esqueci! As lojas, em conformidade com o Código do Consumidor, são obrigadas a dar garantia, mas as igrejas evangélicas não dão garantia alguma. O cliente nunca tem razão. Quando a filha morrer de leucemia, o pai, além de enlutado, será responsabilizado pela perda. Vai ter que escutar que a menina morreu porque ele “deu brecha” para o diabo, não foi fiel ou não teve fé.

Mercadologicamente, Casas Bahia e Magazine Luiza estão bem à frente das igrejas. Melhor assim, geladeira nova é bem mais útil do que a ilusão do milagre.

Soli Deo Gloria.

PERDÃO, MEU DEUS




Perdão meu Deus! Pelas vezes que fui ao culto buscar bênçãos de ti. A religião nunca me ensinou o real poder da cruz e da ressurreição, muito menos a versão “evangélica” (do evangelho) de culto, que enuncia ser o culto um ambiente comunitário de total louvor ao nome bendito de Jesus Cristo, a quem devemos a vida. Enganado, fiz do culto em Cristo um ambiente pagão, pratiquei de maneira insana a filosofia do “toma lá, da cá”, usei de barganhas, clamei pela sua mão e me esqueci da tua maior obra: a redenção.

Perdão meu Deus! Pelos dias que me desgastei preocupado com as minhas coisas, esquecendo-me de buscar o seu reino e a sua justiça. É muito difícil entender a graça, a segurança e o consolo que seu Filho nos prometeu; estas, não são palavras de fácil compreensão para quem foi, por muito tempo, prosélito de quem se julga detentor absoluto da verdade.

Perdão meu Deus! Pelas músicas que cantei, pelo: “restitui! Eu quero de volta o que é meu!” E tantas outras imbecilidades entoadas por mim. Como prosélito de néscios travestidos de sacerdotes, adotei a filosofia que dicotomiza música evangélica e música “do mundo” e acabei coando o mosquito e engolindo camelos. Por um desvio teológico o movimento evangélico tem cantado mentiras absurdas em nome de Deus, saciando o ego humano e a fome de injustiça de Satanás, enquanto as músicas populares, com poesias brilhantes, louvam a Deus, bendizendo a vida.

Perdão meu Deus! Por ter idolatrado a Bíblia por tanto tempo, fazendo dela o livro dos livros, mas esquecendo-me de vivenciá-la. Pelas vezes que fiz dela um livro de necromancia evangélica, tirando dela seu objetivo único de revelar Deus ao homem e o homem ao homem de maneira escrita pelos seus servos e inspirada pelo seu Espírito. Pelas vezes que a li só por ler, sem a pretensão de entendê-la, mas com o fim de decorar versículos para cuspi-los nos rostos daqueles que não fazem parte da tua igreja bendita.

Perdão meu Deus! Pelas vezes que deixei de desfrutar a vida em nome de uma santidade vulgar, imbecil e não-bíblica. Por obstruir a vida em favor de questiúnculas de seres humanos que se preocupam em manipular o outro e a divindade, em favor dos “bons costumes”.

Meu Deus, arrependido e disposto a reviver, ante as novas oportunidades que só o Senhor concede aos que o buscam com um espírito contrito e um coração arrependido, confesso-lhe me sentir um estranho em meio a tanta ignorância entre aqueles se dizem teus filhos.


Por Jesus Cristo,

Will no excelente blog Celebrai!

SE ISSO É IGREJA, SOU MAIS O MEU QUARTO




“Assim, pois, as igrejas em toda a Judéia, e Galiléia e Samaria tinham paz, e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e consolação do Espírito Santo.” – At 9.31

“E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.” – Ef 1.22-23

“A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo; para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor, no qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele. ” – Ef 3.8-12



Já ouvi muitas fábulas em relação à permanência dos crentes numa igreja. Uma delas diz que a igreja é igual à arca de Noé, um lugar cheio de bichos e suas necessidades fisiológicas, e que cheira mal, porém é melhor estar lá dentro do que lá fora em meio ao dilúvio. Outra diz que crente é igual uma abelha: num enxame (ou igreja), vence qualquer inimigo; sozinho, morre num tapa só. Daí a se pensar que a igreja é um organismo super-poderoso, e deve ser mesmo, afinal é nada mais, nada menos que o Corpo de Cristo, Daquele que venceu a morte e o inferno ao levar sobre Si todos as maldições e enfermidades da raça humana. Mas será que a Igreja de Cristo é isso que vemos?

É muito fácil abrir uma igreja. Aluga-se uma garagem e já dá para iniciar uma congregação. Pensa-se num nome pomposo (que tal Igreja Transcontinental da Majestade do Alto? – está muito difícil achar um nome de igreja que não exista), convida-se os vizinhos e amigos e pronto: temos uma Igreja! Se fosse só isso estaria ótimo, o problema é o que é ensinado e vivido por lá.

Já percebeu como sempre há a mesma desculpa para a abertura de uma nova denominação (corrupção da antiga, envolvimento com maçonaria, erros doutrinários, etc), porém na nova se repetem os mesmos, ou até piores, erros da anterior? Ou seja, não há a intenção real de se fazer uma Igreja segundo a Palavra, apenas a de se criar mais um papado.

Sim, papado. A Igreja evangélica brasileira é próspera em papas. Há o Bento XVI e há o papa de cada denominação. Cada fundador se torna um papa, infalível e insubstituível. A permanência no poder é eterna, e os estatutos asseguram que a igreja não sairá de suas rédeas curtas. Quem ousa se levantar contra o “papa” é logo taxado como em rebelião, e expulso ou convencido sutilmente a deixar a denominação. E assim uma nova igreja é criada, e o círculo se repete indefinidamente, causando estranheza principalmente em quem não é cristão, pela quantidade absurda de placas diferentes.

Fico imaginando se Lutero vivesse nos dias de hoje… em seu tempo, precisou se opor a apenas um papa. Hoje, teria que imprimir milhares de teses, uma para cada papa evangélico. Um Lutero só não conseguiria fazer isso não!

O absurdo das várias denominações é tão escancarado que basta andar pelas ruas das cidades para o verificar. Aqui em São Paulo, na Av. Águia de Haia (zona leste da capital), há 6 anos atrás havia três denominações na mesma quadra. O pior: três casas (ou templos) grudados, um depois do outro, porta com porta. Sinceramente, a intenção nesse lugar é evangelizar ou apenas demonstrar o poder da sua denominação que, claro, precisa gritar mais do que as outras vizinhas caso os cultos sejam no mesmo horário? E isso não acontece só nessa rua, acontece em todos os lugares: se as igrejas não são vizinhas de porta, são de quadra, de rua. Mas o lugar permanece ruim e violento do mesmo jeito.

Nós somos chamados para ser sal e luz. Como sal e luz mantém um lugar insosso e escuro? Como, em meio a tantas igrejas, ainda há pessoas morando nas ruas, pessoas se drogando, se prostituindo, roubando e matando? Pessoas mentindo, enganando, chantageando, manipulando? Por que, com tantas igrejas, o Brasil está a cada dia pior? Não deveria ocorrer o contrário?

O que vou dizer agora poderá escandalizar muita gente, mas é o que penso: muitas que se dizem igrejas não o são, espiritualmente falando, não passando de um “clubinho de eleitos”. Você chega, entra no clube, paga a mensalidade, ouve as assembléias, se diverte (canta, dança, ri, chora, extravasa) e vai embora mais feliz, entretido momentaneamente. Aí chega em casa, a criança continua gritando, o marido bebendo, a vizinha atrapalhando, o chefe atormentando; afinal a instituição que se autodenomina igreja, apesar de citar a Deus, não Lhe dá espaço para atuação, preferindo a manifestação de espíritos dançarinos, saltadores, giratórios, que promovam bastante carnaval no recinto. Assim, enganados muitas vezes por “fogo estranho”, não deixamos o Espírito Santo agir em nós, nos transformando, e por isso continuamos vendo todos os defeitos nos outros e na droga de vida que temos.

Note bem, sou pentecostal, acredito nos dons espirituais, mas atribui-se ao Espírito Santo algumas coisas nas igrejas que só por Deus!!!

Se a igreja não consegue transformar quem está dentro, imagine transformar a realidade ao seu redor… E se a igreja não transforma vidas, apenas as “transtorna”, já não é igreja, não é congregação, comunhão, é apenas distração e sacrifício para almejar as bênçãos divinas.

É estranho, mas quanto mais aprendemos a Verdade da Palavra, mais distantes nos tornamos de uma igreja. Não deveria ser o contrário? Não deveríamos nos lançar com maior amor à congregação, sabendo que lá estaremos proclamando o amor ao próximo e a Deus?

O problema é que a igreja não nos transmite amor. Tudo é aparência. Os pastores não têm amor pelas ovelhas, e sim por tosquia-las. As ovelhas, por sua vez, querem estar mais próximas de seus pastores, e para isso não medem esforços, mesmo que seja necessário pisotear outras ovelhas que estejam em seu caminho. É cada um por si e Deus por todos. A igreja se tornou o reino do diz-que-me-diz, onde uns apontam os erros dos outros e todos se acham santos. Só que os erros são apontados não com amor, mas com juízo. Adulterar ou engravidar antes do casamento? Aparte-se de mim!!! Mas mentir e roubar um pouquinho poooooooode!

Mas não pára por aqui. É cada dia mais difícil ouvir uma pregação até o fim. São palavras previsíveis, de exaltação (quase nunca exortação), bom ânimo, esperança, revelações e revelamentos que nunca se realizam (essa noite Deus está curando suas feridas! – as feridas não são curadas, e no culto seguinte: essa noite Deus está completando a obra em sua vida! – e a obra não é completa, aí no culto seguinte a mesma coisa sempre). Não ouvimos pastores, ouvimos doutores em auto-ajuda: todas as bênçãos nos pertencem, somos cabeça e não cauda, o diabo está debaixo dos nossos pés, mas no dia seguinte ainda temos dívidas, problemas, doenças, vazio.
Será que Deus deixou de agir? Ou a instituição que se diz “igreja” é que fala por Ele com engano, a fim, mesmo que inconscientemente, de desacredita-Lo?

Não consigo mais ouvir sermões de auto-ajuda e falsas promessas. Não consigo mais sentar num banco de uma igreja, sabendo que a principal hora não é a da pregação, mas a da coleta. Não aguento mais uma hora de louvor, com bandas desafinadas e cantores “se achando”, provocando o choro fácil não por unção, mas porque, na assembléia dos santos, todos temos motivos para chorar. Simplesmente não aguento mais isso, e peço perdão a Deus se isso O desagrada, mas não quero ir numa igreja por falsidade e ficar vendo defeito em tudo, como foi das últimas vezes.

Eu queria frequentar A Igreja. Não a imagino um mega-templo, com poltronas acolchoadas, ar-condicionado, altar gigante. Eu a imagino uma casa simples, com pessoas simples independente de sua situação financeira. Eu a imagino um lugar onde a acolhida é com amor sincero, não com um risinho forçado e o “seja-bem-vinda-amada” de praxe. Eu a imagino com pessoas que contribuem voluntariamente e com alegria, e que se importam com o irmão ao lado, suprindo-o de acordo com suas necessidades. Sinceramente não consigo frequentar um local onde, em nome de Deus, são lançados gafanhotos devoradores sobre quem não paga a mensalidade. A Igreja que eu quero frequentar tem problemas, pois tem pessoas com problemas, mas lá é possível discordar, perguntar, até duvidar, sabendo que ninguém levará nada para o pessoal, continuando a haver amor apesar das diferenças. A Igreja que eu quero frequentar é uma em Deus, reflete Sua Graça e Misericórdia, Sua Alegria e Beleza, mesmo que, aos olhos humanos, possa não passar de um casebre. Na Igreja que eu quero frequentar mal dá para definir seus líderes, pois o maior se faz de menor, o serve e não busca ser servido. A Igreja que eu quero frequentar traz os ensinamentos de Deus, segue a sã doutrina, não as doutrinas temporárias de homens. A Igreja que eu quero frequentar transforma não só os que lá estão, mas toda a realidade à sua volta, pois se importa com os famintos, os drogados, os excluídos de toda a sorte.

Você conhece essa Igreja? Se conhecer, por favor, me passe com urgência seu endereço ou telefone. Se não a conhecer, infelizmente continuarei a congregar no meu quarto, pois não vou esquentar um banco qualquer apenas para aparentar santidade.

Fonte: Stay Freak - Publicado originalmente no blog Estrangeira

PAZ SEJA CONVOSCO!


“PAZ SEJA CONVOSCO!” - Essa é saudação de Cristo aos seus discípulos, pós ressurreição, em um momento de conflito, de conturbação, de incertezas, para aqueles que durante três anos andaram com Ele, e que agora não entendiam nada do que estava acontecendo.

Tem dias que me sinto como os discípulos, cheio de conflitos, incertezas, conturbado, e em algumas vezes fico imaginando que Cristo vai aparecer do nada, e dizer pra mim “PAZ SEJA CONVOSCO!”.

E como num passe de mágica, ficarei em paz.

Sei que isso não vai acontecer, não vai acontecer, não porque Deus não pode fazer isto por mim, porque Ele pode, mas porque Ele quer que eu aprenda a entender o que é sua paz.

Tem tantos aí no mundo evangélico cumprimentando uns aos outros com “PAZ!”, mas pouquíssimos desses sabem e entendem o que é verdadeiramente paz.

Jesus certa feita disse em João 14:27 Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.

Que paz é essa que Ele nos dá? Já que essa paz, não é a paz do mundo, mas Dele. A do mundo conhecemos, é aquela que quando dá tudo certo, estamos em paz...é aquela que quando nos satisfazemos, estamos em paz...paz do mundo é aquela que achamos que merecemos viver, por tudo aquilo que fizemos.

A paz de Cristo, não nos livra do mal, não nos livra da aflição de existir, não nos livra do dia em que dá tudo errado, não nos livra de nossas frustrações, mas nos faz entender que mesmo passando por tudo isso, mesmo que vivendo as aflições, porque “no mundo tereis aflições”, teremos a paz fruto do Espírito Santo em nós, que não é um sentimento que anula todos os resultados de nossas aflições, porque se fosse assim, Jesus na agonia do jardim do Getsemani, não teria sentido tudo o que sentiu ali, mas foi envolvido pela paz do Espírito Santo, paz essa que excede todo entendimento.

E hoje escrevo este texto, para reforçar o meu espírito, de que a paz de Jesus, através do seu Espírito Santo está em mim, mesmo que enfrentando estes dias difíceis, mesmo não entendendo nada, mesmo não tendo as respostas dos porquês, mesmo no dia do choro, no dia em que não encontramos o ombro amigo, é nesses momentos e dias, que entendemos a paz de Cristo. Porque tal paz convive com a contradição e passa pelas veredas espinhosas das circunstancias, mas não se rende jamais, pois, é alimentada por uma certeza superior, e que vem do Alto.

PAZ SEJA COMIGO! PAZ SEJA CONVOSCO!

Olavo

UM DIA VOCÊ ACORDA!




Um dia você acorda e sente que já não é mais o mesmo, que o cheiro da vida mudou, que as antigas motivações não lhe servem mais, como roupas antigas e apertadas, desbotadas pelo uso excessivo.

Um dia você acorda e percebe que a luz está diferente, que os sons da vizinhança não lhe dizem mais respeito, que o som do seu coração está cansado das mesmas batidas na terra, seu coração está pedindo é para voar. Percebe que antigos sonhos estão voltando, mas não têm lugar naquele pouco espaço que lhes foi destinado, como uma revoada de passarinhos a fazer um barulho incrível no seu peito, batendo asas e soltando penas.

Você acorda e se dá conta do que não fez, de onde não chegou, dos arranjos e das coisas e gentes que usou para seu gozo, e no entanto, não conseguiu ser íntegro consigo mesmo.

Um dia acorda e percebe: decepcionado, quis crer em tantas crenças e doutrinas, se esforçou para agradar a gregos e troianos, disse “sim” quando queria dizer “não”, e deixou de falar “não” tantas vezes que já não sabia mais qual era o seu querer, quais eram os seus sabores preferidos e a direção que escolheu caminhar.

Da mesma forma, acorda e percebe que estava com saudade da sua música, seus livros, seus segredos e seu ócio. Acorda e olha para o teto, vê possibilidades acima do teto; sorri, simpatizando-se com a aranha tecendo teimosa a despeito das estocadas diárias da vassoura.Sem se render, ela recomeça toda noite, e agora você se dá conta que existe a coragem de recomeçar.

Um dia você acorda e lembra que riu, comeu e sentou a mesa com gente que de fato nunca se importou, e você oferecendo seu melhor sorriso em troca de aceitação. Que bobagem. Lembra que não protestou diante de absurdos, recolhendo-se à boa educação de sempre.Lembra que deu o relógio para a pessoa errada, e deixou de abraçar por puro preconceito, e que não tentou mais uma vez.

Um dia você acorda cansado de dizer que está cansado de viver, e decide que vai correr o risco de recapitular suas teologias e filosofias.

Um dia. Um dia você acorda.

Helena Beatriz Pacitti

Fonte: Laion Monteiro
---------------------------------------------------

Já acordei para um monte de coisas, mas sei que vou acordar muitas outras vezes.


Vamos acordar...


Olavo

DA GENTE QUE EU GOSTO!




MARIO BENEDETTI


Eu gosto de gente que vibra, que não tem de ser empurrada, que não tem de dizer que faça as coisas, mas que sabe o que tem que fazer e que faz. A gente que cultiva seus sonhos até que esses sonhos se apoderam de sua própria realidade.

Eu gosto de gente com capacidade para assumir as conseqüências de suas ações, de gente que arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, que se permite, abandona os conselhos sensatos deixando as soluções nas mãos de Deus.

Eu gosto de gente que é justa com sua gente e consigo mesma, da gente que agradece o novo dia, as coisas boas que existem em sua vida, que vive cada hora com bom animo dando o melhor de si, agradecido de estar vivo, de poder distribuir sorrisos, de oferecer suas mãos e ajudar generosamente sem esperar nada em troca.

Eu gosto da gente capaz de me criticar construtivamente e de frente, mas sem me lastimar ou me ferir. Da gente que tem tato. Gosto da gente que possui sentido de justiça. A estes chamo de meus amigos.

Eu gosto da gente que sabe a importância da alegria e a pratica. Da gente que por meio de piadas nos ensina a conceber a vida com humor. Da gente que nunca deixa de ser animada.

Eu gosto de gente sincera e franca, capaz de se opor com argumentos razoáveis a qualquer decisão.
Gosto de gente fiel e persistente, que não descansa quando se trata de alcançar objetivos e idéias.

Eu gosto da gente de critério, a que não se envergonha em reconhecer que se equivocou ou que não sabe algo. De gente que, ao aceitar seus erros, se esforça genuinamente por não voltar a cometê-los. De gente que luta contra adversidades. Gosto de gente que busca soluções.

Eu gosto da gente que pensa e medita internamente. De gente que valoriza seus semelhantes, não por um estereotipo social, nem como se apresentam. De gente que não julga, nem deixa que outros julguem. Gosta de gente que tem personalidade.

Eu gosto da gente que é capaz de entender que o maior erro do ser humano é tentar arrancar da cabeça aquilo que não sai do coração.

A sensibilidade, a coragem, a solidariedade, a bondade, o respeito, a tranqüilidade, os valores, a alegria, a humildade, a fé, a felicidade, o tato, a confiança, a esperança, o agradecimento, a sabedoria, os sonhos, o arrependimento, e o amor para com os demais e consigo próprio são coisas fundamentais para se chamar GENTE.

Com gente como essa, me comprometo, para o que seja, pelo resto de minha vida... já que, por tê-los junto de mim, me dou por bem retribuído.

Impossível ganhar sem saber perder.
Impossível andar sem saber cair.
Impossível acertar sem saber errar.
Impossível viver sem saber reviver.

A glória não consiste em não cair nunca, mas em levantar-se todas as vezes que seja necessário.
E ISSO É ALGO QUE MUITO POUCA GENTE TEM O PRIVILEGIO DE PODER EXPERIMENTAR.
Bem aventurados aqueles que já conseguiram receber com a mesma naturalidade o ganhar e o perder, o acerto e o erro, o triunfo e a derrota...

Fonte: Katia Mariano

PEDAGOGIA DAS IDEIAS


Marcelo Simões - Pastor - ADI

Pedagogia das ideias é um lugar para pensar, repensar, ajuizar sem o casco dogmático da verdade absoluta da religião que tenta manipular o eterno com seu floreio fundamentalista. Um espaço livre da cerca denominacional, da gaiola da reta doutrina, da teologia politicamente correta, dos supostamente possuidores da verdade, por isso acredito que é uma grande anedota tentar controlar, prender, manejar, manipular o vento do Espírito que sopra onde quer, é absolutamente livre. Não tem como falarmos que Deus pensa e age como a religião. Só podemos discernir Deus a partir de Jesus, alinhando a nossa finita e efêmera vida ao pão vivo que desceu do céu.

Um recinto de fé para construirmos nossa vida sobre a análise da comunidade dos discípulos Bereianos que todos os dias examinavam as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo, conforme Paulo ensinava. Não batiam palmas para toda e qualquer palavra. Como acontece com o pensamento do senso comum evangélico, que não consegue refletir com a bíblia na mão e Deus no coração, mas se fartam com a alienação do mito do tanque de Betesda que esperam ainda um anjo descer e agitar a água da religião da maldade de uma fila perversa que nunca acaba. Comunidade Bereiana faz da mente um fluxo de pensamento que não se congela, mas que se renova pela lavagem da consciência do evangelho das boas novas. Somos moldados pelo Espírito para sermos cada vez mais parecidos com Jesus. Uma casa que reside longe da teia afirmativa de uma fé cercada de certezas dos apologistas que edificaram um edifício imponente na sua teoria, mas frágil no cotidiano da humanidade que sofre as variações do mundo e passa pelas etapas da vida. Como escreveu Gondim: “a graça de Deus e nossas frágeis certezas”.

Nessa reflexão, os poços das meias verdades da religião não podem saciar a sede da alma. Somente a verdade absoluta, que não é déspota, mas plena em amabilidade, tem um nome: JESUS DE NAZARÉ, a Palavra que se encarnou em gesto de mais puro amor para que pudéssemos trilhar o fértil caminho do solo da graça de Deus, desfrutando da amizade de um Pai abundantemente misericordioso, acolhedor.

A total verdade é uma pessoa que chora quando um amigo morre, que lamenta quando os seus o rejeitam, que fica indignado quando fazem da casa do Altíssimo um mercado da fé, que toca um leproso de forma terapêutica antes de curá-lo, que luta pela causa dos injustiçados, que se associa com os quebrantados de coração, que anda com os desistidos da vida, acua a sua caminhada para escutar alguém que vivia a margem do caminho do esquecimento humano, que livra um paralítico da fábula religiosa, que consola aqueles que vivem sobre o teto do luto, que recebe com o seu abraço de ternura o mais vil pecador sem questionar os seus feitos. E quem não é pecador?

NÃO QUERO ENVELHECER


Nos últimos tempos, tenho aprendido a escrever e a gostar de escrever, muitas vezes até escrevendo sem saber o que escrever, só Freud explica....risos...
São pensamentos que vem e vão, frases soltas na mente, idéias que me surgem, e de vez em quando um texto mais ou menos completo, e é nessa hora, como agora, escrevo para eternizar, o que passa em minha cabeça.

Diz um ditado chinês: O homem só envelhece quando os lamentos substituem seus sonhos.

Então: Não quero envelhecer!

Outro dia até me peguei olhando para minhas mãos, e ver minhas mãos se enrugando, pode até ser um pouco de neura, mas de qualquer maneira me peguei, olhando. E olha que sou um garotão de quarenta anos.
Mas na verdade o que me preocupa, não é minha idade, ou as rugas em minhas mãos ou rosto, porque isso é natural, o que me preocupa é o sentido que a vida tem na minha vida.

Por muitos anos de minha vida, troquei meus sonhos, por causas sem sentidos, pseudas visões de Deus, que homens diziam ter tido, e isso me fez lamentar, e isso me fez trilhar por caminhos que não eram meus, e isso me fez envelhecer.

Minha vida durante o tempo da religiosidade humana, não tinha sentido, tinha sim alguns propósitos para aqueles, que eu considerava meus lideres, que me dirigia, me manipulava, me tornei massa de manobra nas mãos deles, e o pior é que tudo isso com o meu consentimento, com o meu aval, e eu dizia: Eu sou o enganado, mais feliz da terra..., e isso me fez envelhecer.

Minha vida, durante o tempo da cegueira espiritual, me fazia enxergar um “deus”, que me era carrasco dos meus erros, que me fazia enxergar um “deus”, que tinha prazer em me ver errar e torcia pra que isso acontecesse, porque era o “deus” da culpa e não da graça, e isso me fez envelhecer.

Minha vida, durante o tempo do serviço sacerdotal, mais conhecida como “obra de Deus”, me fazia se distanciar da minha família, distanciar dos meus mais queridos amigos, me fazia odiar aqueles que não pertenciam ao “clube de santos” que eu pertencia, me fazia acreditar que só aqueles que pertenciam a este “clube de santos” eram os bons, os melhores, afinal o cântico era: Ô,Ô,Ô,Ô..., e isso me fez envelhecer.

Minha vida, durante o tempo do evangelho em que se compra a benção, me fazia a qualquer custo, entregar o que eu tinha e o que eu não tinha, porque até cheques pré-datados, na esperança de ter fundos na data do deposito, eram dados em nome de uma prosperidade divina, em nome da cura divina, em nome da solução dos problemas, e isso me fez envelhecer.

Meu Deus...tudo isso me fez envelhecer...

Mas agora, tenho vivido o rejuvenescimento do sentido de minha vida, tenho tomado da água viva, tenho comido do pão vivo que desceu dos céus, tenho vivido a Graça, aliás infinita Graça de Jesus, e tudo isso tem me dado viço, tem me dado vida e vida com abundância, tem me dado alegria, tem me dado paz, tem me dado grandes amigos, tem me dado uma família bendita, tem me dado novos sonhos, e esses sonhos não substituirei por lamentos, até porque não vou trilhar outro caminho, que não seja o verdadeiro caminho que é Jesus.

Sempre no caminho...



Olavo
7 de out de 2009

ENCONTRO NO CAMINHO



UM ENCONTRO ONDE SOMOS CONVIDADOS A SEGUIR O EXEMPLO DE JESUS, INCLUINDO OS EXCLUIDOS, OS FRACOS E VULNERAVÉIS, A CONFRONTAR A HIPOCRISIA E A GANÂNCIA, E A OBEDECER O MAIOR DE TODOS OS MANDAMENTO AMAR O PRÓXIMO COMO A NOS MESMOS.
UM ENCONTRO ONDE NÃO HÁ DIVISÃO ENTRE “SANTO” (SAGRADO) E “DO MUNDO” (SECULAR), ENTRE COISAS “SANTAS” E DO “MUNDO”, PELO FATO DA ESFERA “DO MUNDO”, AFIRMAR UM ESPAÇO POSSIVEL SEM DEUS.
UM ENCONTRO ONDE SOMOS MAIS PESSOAS, DO QUE LUGARES...MAIS FAMILIA DO QUE INSTITUIÇÃO...SOMOS MAIS COMUNIDADE DO QUE CULTO...
UM ENCONTRO ONDE AS PESSOAS NÃO SÃO CONVIDADAS A “SE DAR BEM” APLICANDO A LEI DE GÉRSON, MAS CONVIDADAS A CONVIVEREM E COOPERAREM EM CODEPENDÊNCIA.
UM ENCONTRO ONDE NÃO É PRECISO REGRAS DE CONDUTAS PARA ESTAR DENTRO OU FORA DESTA COMUNIDADE.
UM ENCONTRO ONDE DEIXAMOS DE SER PROSELITISTAS PARA HUMILDEMENTE CAMINHAR, DEMOSTRAR E CONVIVER COM O “OUTRO”. EM VEZ DE ARROGANTES SERMOS TRANSPARENTES E SINCEROS. EM VEZ DE SERMOS SERVIDOS, SERVIR...EM VEZ DE SERMOS CHEFES, SERVOS.
UM ENCONTRO ONDE HÁ CELEBRAÇÃO CRIATIVA, E NÃO UMA DISNEY ESPIRITUAL, UM ESCAPE DA VIDA E DA REALIDADE, MAS SIM NESTE ENCONTRO TRAZER NOSSO MUNDO, NOSSA REALIDADE, INCLUINDO NOSSAS DÚVIDAS E NOSSOS FRACASSOS.
VOCE É NOSSO CONVIDADO...

NOSSO ENDEREÇO:

Nossos encontros acontecem todos os Domingos na Rua Sarjob Mendes, 200 - às 17:30 hs.


Cidade: Araçatuba / São Paulo

Aguardo você lá...

Sempre no caminho...

Olavo

HAJA OUVIDOS...


Outro dia estava pensando sobre as músicas que o mundo gospel, está ouvindo, que está nas paradas de sucesso, e cheguei a seguinte conclusão, pra ficar ruim tem que melhorar muito.

Porque cheguei a essa conclusão, porque é uma musica viciada no evangeliquez, cheia de jargões, de triunfalismos, uma hora é para cair fogo...fogo...fogo...quando queima tudo, começa a pedir manda chuva...chuva...chuva...morrem afogados! Haja ouvidos.

Vai compreender o que eles querem! Acredito que até Deus do céu, deve perguntar: O que esse povo quer, meu deus? Ops...eu sou Deus!

Letras que falam sobre visões, que mais parecem viagens de quem fuma um baseado, que falam do ser apostólico, do ser ungido, do ser que voa nas asas do vento (esse é até poético), dos que levam e dos que trazem a arca...e por ai vai...haja ouvidos!

Sinceramente fico até saudosista, quando me lembro de canções que meu avo cantava, quando tecia sua rede de pesca (era um bom pescador, como também sou...risos), canções que ainda não me saem da cabeça, mesmo depois de 30 anos passados.

Letras e músicas que continham verdadeiros sentimentos, de quem queria louvar a Deus, e não apenas fazer sucesso, vender discos, ser considerado um bom cantor entre as instituições, pois vão de encontro ao que o mundo evangélico precisa, milagres, poder, prosperidade, cura e unção.

Mas sei também que ainda há um remanescente hoje que compõe musicas e letras boas de ouvir, e a esses ergo minhas mãos e agradeço ao pai, por eles existirem.

A essa música que não precisa ser gospel ou evangélica, apenas boa...sou todo ouvido, como é o caso da música do João Alexandre, ouçam, porque é muito boa.

OLAVO
Related Posts with Thumbnails

Recentes

Comentários

+Comentados

Widget UsuárioCompulsivo

Sacrificar-se em favor de quem nem conhecemos, vencendo o mal com o bem
BlogBlogs.Com.Br